Notícias » Saúde

18 de Setembro de 2013
Unesp Araraquara cria bioválvula que reduz cirurgias cardíacas em 3 horas
Pesquisadores de Araraquara, SP, ajudaram empresa com tecnologia.
Clique para ampliar

Pesquisadores da Unesp de Araraquara(SP) ajudaram uma empresa privada a desenvolver uma bioválvula que pode simplificar as operações no coração. O tempo de uma cirurgia tradicional pode ser reduzido de quatro horas para até 40 minutos. O custo do material ainda é alto, mas os pesquisadores acreditam que futuramente ele possa ser usado no Sistema Único de Saúde (SUS).

A aposentada Ivone de Freitas passou por um operação delicada após um problema no coração. O tórax teve que ser aberto e a cirurgia foi longa e complicada. “Foram oito horas. Fiquei 10 dias antes da cirurgia e mais 12 dias para recuperar. Foi difícil”, disse.

Válvula com tecnologia da Unesp é introduzida fechada e quando chega ao coração, ela abre (Foto: Arte: Reprodução Unesp Araraquara)

Para evitar o desconforto da cirurgia tradicional, pesquisadores da Unesp em Araraquara ajudaram a criar uma válvula cardíaca, implantada de forma menos invasiva e mais rápida. A técnica é indicada para pacientes idosos, de alto risco.

A válvula pesa três gramas, tem 30 milímetros de diâmetro e foi feita com uma membrana que reveste o coração do boi. O produto desenvolvido por uma empresa privada foi aperfeiçoado por cientistas do Instituto de Química. Antes, a válvula tinha uma liga metálica de aço, menos resistente.

“Passou a ser cortada a laser e testamos vários materiais, dentre eles a liga metálica de cobalto cromo. Foi a que ofereceu a melhor resposta, o melhor acabamento, bastante atualizado e que tem biocompatibilidade com o organismo, menos rejeição”, explicou o coordenador do Grupo de Biomateriais da Unesp, Antônio Carlos Guastaldi.

Com ela, o implante é bem mais simples. Os médicos fazem um pequeno corte na costela e, com um cateter, introduzem a válvula fechada. Quando chega ao coração, ela abre, como um guarda-chuva.

“Uma cirurgia tradicional pode durar de três a quatro horas. Essa nova técnica em mãos hábeis [o tempo de cirurgia chega] a no máximo uma hora, 40 minutos. Permite que pacientes que antes não tinham acesso ao tratamento, possam ter. Só aí já é um avanço importante”, analisou o cardiologista João de Freitas Júnior.

Ao todo, 250 pessoas já passaram pela cirurgia. O procedimento é usado em pacientes com estenose aórtica, quando a válvula não abre completamente e reduz o fluxo de sangue. “É a primeira transcateter desenvolvida no Brasil, a única válvula nacional”, afirmou o diretor de produtos Guilherme Agreli.

Alto custo
O problema é o custo, que não sai por menos de R$ 70 mil. A rede pública de saúde não cobre o procedimento. “Os custos envolvidos num primeiro momento são altos, mas, como tudo aquilo que é difundido de uma forma mais ampla, a tendência é que esses custos caiam e se possa expandir o uso para a população atendida pelo SUS”, ressaltou Freitas Júnior.

O Ministério da Saúde não conhece a nova válvula e por isso não comentou a possibilidade de usar o produto na rede pública.


+ NOTÍCIAS


 
NO AR

Sintonia 87

Com: Eddy Silva
Horário: 08:00 - 11:00
Não Consegue escutar

#

PEÇA SEU SOM
Nome:

Email:

Cidade / UF:

Pedido:

Por medida de segurança, digite os 5 dígitos
do código exibido abaixo

p1rr1
ESTATÍSTICAS
    Usuários Online:  1
BLOGUEIROS FLORENCES

Blog do Sargento Adeildo Alves

 

Copyright © 2018 - Rádio Comunitária Florescer - FM