Notícias » Geral

09 de Março de 2014
Após greve no Rio de Janeiro o piso salarial dos garis passa para R$ 1.100
Fonte: G1
Clique para ampliar

Terminou no início da noite deste sábado (8) a greve de garis do Rio, que havia começado no dia 1º de março. A prefeitura fez uma proposta de R$ 1.050 para salário-base (aumento de 37%), os garis em greve não aceitaram e fizeram uma contraproposta, de R$ 1.100, que foi aceita pelo governo municipal. Após o anúncio, o prefeito Eduardo Paes disse que se sente como um "capitão" que "retoma o controle da nau".

“Pela primeira vez a gente conseguiu ter uma reunião organizada. Cada dia esse movimento tinha um grupo de representantes diferente. Hoje foi a primeira reunião formal com eles. Até então não conhecíamos a pauta”, disse o prefeito.

A audiência de conciliação entre a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) e o Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio, que estava agendada para a próxima terça-feira (11), foi antecipada para este sábado e foi realizada na Justiça do Trabalho, no Centro.

Além do aumento do salário, que anteriormete era de R$ 803, sobe também o ticket-refeição, de R$ 12 para R$ 20. O secretário da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho, informou que a coleta será normalizada já neste sábado e a previsão é de que a cidade fique toda limpa em 3 dias.

Paes disse que será preciso fazer um “esforço orçamentário”, mas que os garis “merecem”. “Eu não escondo que o gari é a alma dessa sociedade. Não deu pra dar o que eles esperavam, mas foi bastante generoso.”

Demissões
Sobre as possíveis demissões, que haviam sido anunciadas para os garis que faltasse ao trabalho, Paes disse que não pretende mandar ninguém embora, mas que casos específicos serão analisados. “Quem não trabalhou será descontado e vai ter que recuperar o tempo perdido. Se alguém agrediu o gerente, isso será levado em  conta. Mas eu nunca quis demitir garis. Não será ninguém demitido porque participou do movimento."

Estiveram presentes na reunião: o presidente da Comlurb, Vinícius Roriz; o chefe da Casa Civil, Pedro Paulo; o procurador-geral do Município, Fernando Dionísio; presidente do Sindicato de Empregados de Empresas de Asseio e Conservação, Luciano David Araújo, e o vice-presidente Antônio Carlos da Silva; o presidente do TRT, Carlos Alberto Araújo Drummond; a vice Maria das Graças Cabral Viegas Paranho; e a procuradora regional do Trabalho Débora da Silva Félix.

Toneladas de lixo estão espalhadas pelas ruas de diversas regiões do Rio desde o início do carnaval. A situação alarmente virou destaque na imprensa internacional.

Garis celebram acordo no Centro do Rio (Foto: Felipe Hanower / Agência O Globo)Impasse

Na segunda-feira (3), a Comlurb e o sindicato que representa os garis fecharam um acordo para dissídio coletivo. O prazo legal era até 31 de março para se encerrar as negociações, mas as duas partes decidiram antecipar o acordo numa tentativa de encerrar o movimento reivindicatório.

O acordo previu reajuste salarial de 9%. Com este percentual, segundo a Comlurb, a partir de abril, um gari em início de carreira terá piso salarial de R$ 874,79 acrescido de 40% de adicional de insalubridade, totalizando R$ 1.224,70 de salário. O acordo coletivo previu também 100% na hora extra para quem trabalhar nos domingos e feriados, mantendo o direito à folga. plano odontológico para todos, ampliação do prêmio do seguro de vida de R$ 6 mil para R$ 10 mil, aumento do vale-alimentação de R$ 12 para R$ 16, auxílio-creche para ambos os sexos e acordo de resultados possibilitando um 14º e 15º salário aos garis.

O acordo não agradou aos garis grevistas. “Queremos R$ 1.200, mais os 40% insalubridade. Eu acho que é justo. Pelo trabalho que realizamos na chuva, no sol, no vento, em eventos também, como Réveillon, Natal...”, disse, antes do acordo, Célio Vianna, um dos garis que se apresenta como líder do movimento.

Protesto
Os garis fizeram um protesto no Centro na manhã deste sábado. Eles se concentraram na Prefeitura, na Cidade Nova, e caminharam até o Ministério Público do Trabalho, onde um grupo - acompanhado de representantes de advogados da Comissão de Direitos Humanos da OAB e de políticos - foi recebido pelos procuradores. Segundo a Polícia Militar, eram cerca de 500 pessoas. Para os líderes do movimento, cerca de 3 mil participaram da manifestação. Na quinta-feira (6) e na sexta-feira (7) eles também fizeram uma manifestação.

protesto garis centro (Foto: Ilan Pellenberg/Futura Press/Estadão Conteúdo)


+ NOTÍCIAS


 
NO AR

Vitrola da Saudade

Com: Carlinhos do Alto
Horário: 06:00 - 07:00
Não Consegue escutar

#

PEÇA SEU SOM
Nome:

Email:

Cidade / UF:

Pedido:

Por medida de segurança, digite os 5 dígitos
do código exibido abaixo

sxmd5
ESTATÍSTICAS
    Usuários Online:  1
BLOGUEIROS FLORENCES

Blog do Sargento Adeildo Alves

 

Copyright © 2018 - Rádio Comunitária Florescer - FM